Arquivo

Monthly Archives: Setembro 2014

Ilustração Portugueza, n.474, March 22, 1915 - 13

Carregar na imagem para ver em tamanho 1818 x 1353.

Como se cava e mina debaixo das trincheiras inimigas.

“Ganha-se um pé de terreno por hora para preparar um avanço de infantaria

Basta examinar com atenção a curiosa e bem deduzida serie de aspetos que apresentam estas paginas para se avaliar por que processos se está avançando por baixo da terra para destruir o inimigo. O trabalho começa por um sapador e em geral não trabalham mais de que tres para não se estorvarem, pois que a largura da trincheira, em media, é de 4 pés e 6 polegadas. A terra vae-se deitando para o lado do fogo do inimigo e como a profundidade é de 6 pés, o sapadot vê-se muitas vezes obrigado a trabalhar de joelhos para não ser atingido, voltando a trabalhar á vontade quando o inimigo se põe em movimento.

(Da ‘The Illustrated London News’).”

Anúncios

Ilustração Portugueza, n.474, March 22, 1915 - 12

Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1500.

Notícias da guerra. Foto Chusseau-Flaviens da revista de guarnição, a bordo dum cruzador francês; e ilustração da The Sphere da debandada do exército turco no Caucaso.

“Os alemães continuam a fazer os ultimos esforços para realisarem o apregoado bloqueio da Inglaterra, pelo mar e pelo ar. (…)

Algumas vitimas teem feito, forçoso e triste é reconhecer, entre esses inofensivos barcos que se ocupam apenas do comercio indispensavel á vida dos que não andam envoltos n’esta pavorosa luta. Não são navios de guerra, não podem usar esse nome fidgnificante, são navios de pirates, navios que andam em verdadeiro corso, matando, destruindo, roubando.”

Ao Largo, Nº 198, Abril 1957 - 1

Revista amavelmente cedida por Margarida Marques. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1122.

“Rumo à Vida, Escolha de Carreira”, artigo de Maria Higina Nunes da Silva Rendeiro Marques.

“Quase sempre, na tua idade, ainda o rumo não está bem definido, ainda a vocação não está bem marcada. Tensm no entanto, de entrar em linha de conta com todas incógnitas do problema, pois no caso (que é o teu), de não existir um interesse absorvente por um determinado tipo de estudos, tens o dever de procurar harmonizar todos os factores presentes e futuros, e de não te deixar arrastar por uma inclinação de momento.”