Ilustração Portugueza, nº472, 1915 – 2, 3

Ilustração Portugueza, nº472, 1915 - 2

Carregar na imagem para ver em tamanho 994 x 1500.

A crónica de Júlio Dantas, ilustrada por Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro.

No país, sucedem-se os atentados políticos; a crítica à moda feminina; a Alemanha bloqueia a Inglaterra; e Antero de Figueiredo publica a 2ª edição da novela “Doida de Amor”.

“Pergunta-me o que penso da moda atual. As modas são como as mulheres, minha querida amiga: Já se disse d’elas todo o mal que havia a dizer. Como Gabriella Dorziat, a ilustre atriz franceza do ‘the right dress in the right place’, julgo que a moda atual é ‘garçonnière’ de mais; que, quando se decide a ser feminina, o é com um paroxismo doentio e uma impertinência visinha da impudência; que os vestidos modernos, exiguos, sucintos, levissimos, quasi imateriaes, vestidos que se fazem com 0,75 de estofo e cabem dentro de um regalo, constituem, em materia de pudor, um diminuitivo muitíssimo interessante quando se observa na mulher dos outros.”

Ilustração Portugueza, nº472, 1915 - 3

Carregar na imagem para ver em tamanho 994 x 1500.

“Carta de Longe”, conto de guerra por João Grave, ilustrado por Hipólito Colomb.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: