Arquivo

Boa Noite

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 46

Carregar na imagem para ver em tamanho 1050 x 700.

O humor. Publicidade ao centro comercial Londres conjunto, incluindo cinema, snack-bar, e pub; às filmagens Pathé Baby Portugal; e às armas Pietro Beretta.

Anúncios

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 44

Carregar na imagem para ver em tamanho 1046 x 700.

Artigo sobre o feijão. Publicidade à Casa do Campo, de horticultura e jardinagem; à loja Brasilia; à moda juvenil Brumel; ao pronto-a-vestir masculino Between; e aos electrodomésticos Frigaz. O humor.

“O feijoeiro (nome científico: Phascolus vulgaris L.) parece ter a sua origem na América do Sul, possivelmente no Peru. Quando os navegadores portugueses e espanhóis arribaram às costas do Novo Mundo, era já largamente cultivado pelos incas e outros povos da América do Sul e da América Central. Foi trazido para a Europa a partir do século XVII, tendo-se popularizado rapidamente.”

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 45

Carregar na imagem para ver em tamanho 1049 x 700.

Artigo sobre a caça submarina ao labro ou bodião. Publicidade aos artigos para campismo Solcampo; aos artigos para caça submarina Simotal; à loja para pesca desportiva Oceânica; às rolotes Simotal; e aos atrelados Lar Campo.

“Muitas vezes os caçadores submarinos se interrogam se este peixe é absolutamente inconsciente ou se é temerário.

Passa com o ar mais natural ao alcançe da espingarda, exactamente como as senhoras diante das montras das lojas de modas. Sem receio algum ele vos contempla, até que se encontre na ponta do harpão.”

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 42

Carregar na imagem para ver em tamanho 1055 x 700.

Publicidade à casa de pneus dos Anjos; à loja de roupas para desporto e dança Meia de Vidro; à casa de electrodomésticos e decoração Vapedrone; e à loja Gramofone de electrodomésticos.

Uma anedota da vida real contada pelo jornalista português Jorge Ramos, a propósito da sua visita ao bairro chinês de Nova Iorque. Como o rei Cristiano X da Dinamarca rejeitou a proposta de Hitler de unirem os dois países.

“- Fale nisso a meu filho – diz o rei Cristiano – Já sou velho para reinar sobre tanta gente!”

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 43

Carregar na imagem para ver em tamanho 1056 x 700.

Publicidade aos móveis VI; à casa de electrodomésticos Primavera; e ao oculista Pilú. O humor. Os passatempos, por Ilda Laidley.

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 40

Carregar na imagem para ver em tamanho 1051 x 700.

Publicidade aos Livros do Brasil; à revista Alpha; às papelarias Emílio Braga; à pastelaria e charcutaria Colóquio; ao Instituto de Beleza Mendes; e ao Restaurante Stop do Bairro. O humor.

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 41

Carregar na imagem para ver em tamanho 1048 x 700.

Publicidade aos Livros do Brasil; à ourivesaria Império; e à água de colónia/restaurador capilar Recuperação. O humor.

“No tribunal:

O juiz – Para evitar de ser acusado, o réu comeu a nota falsa que pretendia passar. Que tem a dizer a este respeito?

O réu – É verdade que a comi, mas tenho a prova de que não era falsa.

O juiz – Que prova?

O réu – A nota passou…”

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 38

Carregar na imagem para ver em tamanho 1045 x 700.

O humor. Publicidade às lojas do Centro Comercial Imaviz: o pronto-a-vestir Queens, a boutique Popof, e à gelataria Veneza; à tabacaria Antunes e Amilcar; aos Armazéns Airaf de ciclismo e motorizadas, de José Machado Gomes; e aos alarmes anti-roubo Napibérica.

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 39

Carregar na imagem para ver em tamanho 1052 x 700.

O humor. Publicidade à re-edição do livro “A Evolução da Física”, por Albert Einstein e Leopol Infeld, dos Livros do Brasil; aos móveis Jominho; à academia de música Instituto Musical Matono; e à relojoaria Maury.

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 36

Carregar na imagem para ver em tamanho 1052 x 700.

Nas novidades do cinema, o filme “Rocky”, com Sylvester Stallone, e “O Voo das Águias”, com Michael Caine.

Publicidade ao Pub-Club Bluff, e à boutique Ao Ritmo do Tempo.

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 36a

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 37

Carregar na imagem para ver em tamanho 1046 x 700.

“Armadilha para um Homem”, de Peter Fleischmann, e “A Ocasião Faz o Ladrão”, de Luigi Magni e Luigi Comencini.

Publicidade ao Centro Comercial Cinebolso, e aos colchões de espuma de borracha da Casa dos Pneus.

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 34

Carregar na imagem para ver em tamanho 1047 x 700.

O humor. Publicidade ao bruxo Rakar, e às lojas Fotorapid de fotografia e Sapataria Onda, na Drugstore Saldanha.

“Sou Rakar, decano dos astrólogos portugueses. Fui astrólogo de Salazar e das mais altas esferas sociais portuguesas, ausente de Portugal durante os últimos trinta anos, e encontro-me de novo nesta nossa Pátria, não apenas para visitá-la, mas também para poder prestar e oferecer os meus conhecimentos a todos os portugueses que desejam deles tirar o seu alto benefício.”

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 35

Carregar na imagem para ver em tamanho 1052 x 700.

O humor. Nas estreias do cinema, o filme de artes marciais “O Regresso do Invencível”.

Publicidade à fábrica de pastilhas Lusiteca, e à ourivesaria Mourão.

“Diz-se

Que Woody Allen declarou: ‘Li que, dentro em breve, haverá duzentos milhões de automóveis a circular pelos Estados Unidos. O que quer dizer que, se quiserem atravessar a rua, é aproveitar já’.”

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 32

Carregar na imagem para ver em tamanho 1037 x 700.

Já na altura se considerava que o uso da sacarina levantava problemas para a saúde.

Publicidade às meias de descanso Lastonet, ao calçado ortopédico da Lisbonense, aos aparelhos auditivos da Casa Sonotone, e ao oculista Gil.

“O método comum de fabricar a sacarina consiste em principiar com uma substância chamada o-tolueno sulfonamida, e, naturalmente, o produto final contém vestígios dessa substância. As preocupações manifestadas recentemente nos Estados Unidos, pela repartição que controla os alimentos e os remédios, originaram-se com a suposição de que a o-tolueno sulfonamida podia ser responsável pela produção dos tumores da bexiga encontrados em pacientes submetidos a pesquisas relacionadas com a sacarina, pois a referida substância parece influir sobre o endotélio da bexiga, tornando-a susceptível ao cancro.”

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 33

Carregar na imagem para ver em tamanho 1055 x 700.

Critica-se o apoio dado pelo estado português ao regime totalitário da Jugoslávia, do ditador Tito.

Publicidade ao iogurte Veneza, aos cafés da Casa da Soja e Vitacola, e ao alourador de cabelo Camomila Intea.

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 30

Carregar na imagem para ver em tamanho 1029 x 700.

O humor. Recomendações da Prevenção Rodoviária Portuguesa. Como cuidar do aquário dos seus peixes.

Publicidade à papelaria Au Petit Peintre, ao pronto-a-vestir Grifo, e aos aquários Manuel F. Carvalho.

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 30a

“No fundo do aquário utilize areia escura pois contém ferro.

Utilize de preferência areia com grãos de espessura média, pois se for muito fina, produzirá uma deficiente circulação da água, impedindo a chegada do ar e, consequentemente o desenvolvimento das raízes das plantas, que necessitam de oxigénio para crescerem adequadamente.”

Boa Noite, Nº 66, Dezembro 1977 - 31

Carregar na imagem para ver em tamanho 1050 x 700.

Como cuidar do aquário dos seus peixes. Uma anedota da vida real sobre as regras de indumentária entre os soldados australianos durante a 1ª Guerra Mundial. Críticas à situação nacional.

Publicidade aos móveis Francisco da Silva Pássaro, à pastelaria Lua de Mel, aos relógios Luena, e ao restaurante Telheiro.

“Durante a Primeira Guerra Mundial os australianos não eram muito exigentes em matéria de indumentária e aparência, e os calções australianos positivamente não agradavam aos olhos ingleses. Pode ter sido essa a razão por que foi determinado, na Palestina, que os soldaods da cavalaria ligeira não deviam montar de calção. Um major de cavalaria, que transmitiu essa ordem aos seus homens, acampados perto do Canal de Suez, ficou horrorizado ao ver um desengonçado sertanejo australiano, de calção e chapéu apenas, dirigindo-se a meio galope para a margem do Canal para nadar um pouco.

– Você aí! – berrou o major, apontando com um trémulo rebenque – Pare e desmonte imediatamente. Você não sabe que é proibido montar de calção? Que significa isso?

Sem se perturbar, o australiano deixou-se escorregar do cavalo e, com as rédeas por cima do braço, desabotoou o calção, tirou-o e entregou-o ao estupefacto major. Em seguida tornou a montar e, completamente nu, rumou para o seu banho no Canal.”