Arquivo

Tag Archives: 1909

Modas e Bordados, Nº 3182, Janeiro 31 1973 - 6

Carregar na imagem para ver em tamanho 1734 x 1188.

Biografia de Adelaide Cabete, uma das primeiras mulheres portuguesas a formarem-se em medicina.

“Só depois de casada, sob o estímulo do marido, Manuel Fernandes Cabete, republicano convicto e eloquente, Adelaide ingressaria na Escola de Lisboa. (…)

Em 1900, Adelaide Cabete forma-se em Medicina. Com a tese, que apresenta, sobre A protecção à mulher grávida pobre, aborda a questão da necessidade do repouso das mulheres grávidas, demonstrando, segundo estudos de médicos estrangeiros, que a facilidade do parto, o peso e saúde do recém-nascido dependem da classe económica a que a mãe pertence. (…)

Em 1909, cria-se a Liga Republicana das Mulheres Portuguesas, sob a presidência de uma outra portuguesa não menos notável, Ana de Castro Osório. (…) Após a instauração do regime republicano, inicia uma intensa actividade de congressista. (…)

Em 1923, representa o Governo Português no Congresso Internacional Feminista.”

Modas e Bordados, Nº 3182, Janeiro 31 1973 - 7

Carregar na imagem para ver em tamanho 1737 x 1182.

Artigo sobre a dignidade e o valor das mulheres que optam por serem donas-de-casa e mães, em vez de terem uma carreira profissional.

– ‘Sou uma profissional – assegura-me ela -, uma mulher com uma carreira!’

Tenho a sensação de que me olha com um certo desprezo condoído.

Que sou eu? Tenho 30 anos, sem profissão. No meu passaporte pode ler-se ‘doméstica’. Sou uma rapariga que dei 10 anos da minha vida à confecção de três seres humanos, e que continua paralisada pelo encantamento observando o milagre fascinante que é o nascimento do espírito, a evolução de uma criança.”

Illustração Portugueza, No. 191, October 18 1909 - 33

Carregar na imagem para ver em tamanho 1700 x 2340.

Publicidade à Companhia do Papel do Prado; às sedas suíças Schweizer; à farinha láctea Nestlé; à agência de viagens Ernst George; aos perfumes Princia Violet e Floramye da L. T. Piver; e ao Baume Bengué.

Na contra-capa, publicidade à vidente Madame Brouillard; às grafonolas da Casa Simplex; aos supositórios Adreno-stipticos Midy; às encadernações da revista; ao Elixír de S. Vicente de Paula; e ao Concurso de 1909.

Illustração Portugueza, No. 191, October 18 1909 - back cover

Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1500.

Illustração Portugueza, No. 191, October 18 1909 - 29

Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1524.

O Sporting Clube de Portugal organiza uma semana de regata em Cascais.

Nas imagens Benoliel: canoas da picada; largada das canoas monotipo do R. C. N. L; largada das canoas; e o outrigger D. Manuel II do R. C. N. L., vencedor da 1ª corrida.

“De ante-mão se podia augurar, portanto, o exito e sucesso que a semana de outomno estava destinada a alcançar, e a que effectivamente os resultados de todas as provas, em que tomaram parte os nossos primeiros remadores, yachtmen, automobilistas, tennistas, esgrimistas e cavalleiros, deram o mais completo relevo.”

Illustração Portugueza, No. 191, October 18 1909 - 28

Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1506.

O Sporting Clube de Portugal organiza uma semana de regata em Cascais.

Nas imagens Benoliel: largada das canoas da picada, vendo-se ao centro a canoa Zaza de Marques da Silva e do mestre Anaya Sando, vencedora do 1º prémio; os pequenos iates de recreio; e a largada dos iates.

“A semana de outomno de Cascaes, com a sua brilhante serie de festas, não pode deixar de ficar lisongeiramente registada nos annaes sportivos, e constitue uma indiscutivel demonstração de que se vae finalmente desenvolvendo no nosso paiz o gosto pelos divertimentos do sport, que, a principio, tanto custaram a acclimar.”

Illustração Portugueza, No. 191, October 18 1909 - 27

Carregar na imagem para ver em tamanho 1505 x 2300.

Artigo de Fernando Iscar Peira sobre as mulheres charras.

“Como todas as cousas eminentemente decorativas, o traje dispendioso da charra, tão theatral com os seus bordados de oiro e matiz, foi guardado nas arcas de familia como um anachronismo precioso. Apenas agora, por occasião do entrudo e das feiras annuaes de Salamanca, sob as arcadas da Plaza Mayor ou nos camarotes da praça de toiros, o vestido tradicional da charra reapparece, com o seu luxo ornamental. É unicamente n’esses dias que a donzella castelhana póde revestir a sua casta belleza com os esplendores theatraes do traje magnifico com que suas avós foram á bôda. A magnificencia das saias de damasco e de velludo, com os aventaes recamados de bordados, destôa já entre a vulgaridade modesta e uniforme do traje contemporaneo, que apagou todo o pittoresco da indumentaria regional.”

Illustração Portugueza, No. 191, October 18 1909 - 26

Carregar na imagem para ver em tamanho 1535 x 2310.

Artigo de Fernando Iscar Peira sobre as mulheres charras.

“Lê-se n’ellas facilmente, sem necessidade de nos atormentarmos com grandes aprofundações psychologicas. Tudo o que da charra pode dizer-se está formosamente condensado n’estes versos de José Maria Galán:

Sencilla para pensar,
Prudente para sentir.
Recatada para amar,
Discreta para callar,
Y honesta para decir.”

Illustração Portugueza, No. 191, October 18 1909 - 25

Carregar na imagem para ver em tamanho 1525 x 2305.

Artigo de Fernando Iscar Peira sobre as mulheres charras.

“Encontral-as-heis com suas sayas de côres atrevidas… vermelhas, de um vermelho côr de fogo como o resplendor d’estes ocasos sangrentos com que se despede o dia nos azinhaes, amarellas, de um amarello forte e agressivo, côr de sol; com os aros das suas arrecadas; escorrido e luzidio o cabello, alinhado n’um penteado sobrio, sem engano nem artificio; bem defendidas por commodas meias de lã; pisando o terreiro com os seus sapatos de fivella, reforçados, solidos, como que feitos para o caminhar seguro.”