Arquivo

Tag Archives: 1910

Século Ilustrado, No. 935, December 3 1955 - 30

Carregar na imagem para ver em tamanho 1092 x 1542.

A banda desenhada “Uma aventura do inspector Maigret, O Porto das Brumas”, por George Simenon.

Século Ilustrado, No. 935, December 3 1955 - 31

Carregar na imagem para ver em tamanho 1086 x 1536.

“Sonho… sonhos”, conto por O. Henry.

“Peter William Sidney, nascido em 11 de Setembro de 1862 em Greensboro (Carolina do Norte) e falecido em 5 de Junho de 1910, exerceu várias profissões mais ou menos modestas até poder transladar-se para Nova York. Foi aqui que, sob o pseudónimo de O. Henry, iniciou a sua vida literária. A grande cidade e os seus notáveis dotes de observação forneceram-lhe os assuntos para as pequenas novelas que escreveu então.”

Modas e Bordados, No. 3187, 7 Março 1973 - 4

Carregar na imagem para ver em tamanho 800 x 1088.

A mulher e a lei, pela dra. Laura Lopes, desta vez sobre a transmissão de bens.

“Carolina Beatriz Angelo não foi advogada mas sim médica, uma das primeiras médicas portuguesas. Em 1911, aquando dumas eleições, após a implantação da República em 5 de Outubro de 1910, apareceu na Assembleia de voto respectiva com o seu voto na mão para votar como qualquer cidadão. Perante o espanto de todos os presentes (unicamente homens) ela permaneceu calma e determinante. Porém, proibiram-na de votar por ser mulher.

Não se conformando com a atitude daquela assembleia, pôs uma acção em tribunal com o fundamento de que a lei então vigente não proibia as mulheres de serem eleitores e portanto requeria que lhe fosse reconhecido esse direito, assim como a todas as mulheres.

E ganhou a acção; o tribunal reconheceu-lhe esse direito.”

Modas e Bordados, No. 3187, 7 Março 1973 - 5

Carregar na imagem para ver em tamanho 800 x 1085.

O M. L. F. (Movimento de Libertação das Mulheres Francesas) dá uma festa no Palácio da Mutualidade em Paris, com o aborto como tema.

O casamento do cantor Ringo Willy Cat (na imagem, a noiva, Sheila, conversa com o cançonetista Claude François).

O Teatro do Silêncio une-se ao Teatro da Esperança e cria a coreografia “Passo de Dois”, fusão de dança, cinema e teatro experimental (na imagem, os bailarinos Jacques Garnier e Brigitte Lefèvre).