Archive

Tag Archives: 1916

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 26

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1490.

Publicidade ao Pó de Abyssinia Exibard; aos cartuchos e espingardas Remington UMC; à vidente Madame Brouillard; à Fotografia Reutlinger; e aos selos Poulain Frères.

Publicidade às Pílulas Foster, para as dores de rins.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 26a

Carregar na imagem para ver em tamanho 705 x 641.

Publicidade à farinha Maizena, com uma receita para pastéis.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 26b

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - back cover

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1535 x 2285.

Na contra-capa, publicidade à panaceia Água Caldas Santas de Carvalhelhos.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 24

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1516.

A vila do Gavião, no Alentejo, é assolada por uma praga de gafanhotos.

Nas imagens de João Pedro da Ascenção: campo de experiências de Pequito Rebelo, na herdade do Polvorão, em que o trigo, cultivado de acordo com o método argelino, foi comido pelos gafanhotos; e o pessoal da herdade, recorrendo a um método para apanhar gafanhotos, que envolve enrolá-los num saco gigante.

“A endemoninhada praga dos gafanhotos, que de quando em quando vem vaguear pelo nosso paiz, arrazando e destruindo plantações inteiras, é um pezadelo para os proprietarios das terras atacadas, que de um para outro momento vêem inutilisados os seus esforços de muitos mezes e o seu dinheiro gasto sem a menor utilidade.”

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 25

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1508.

A vila do Gavião, no Alentejo, é assolada por uma praga de gafanhotos.

Nas imagens de João Pedro da Ascenção: um campo de milho, destruído pela praga; e o resultado de algumas horas a apanhar os gafanhotos.

“Os prejudicialissimos insetos estenderam a sua rêde de destruição n’uma área de quinze quilometros quadrados, deixando por toda a parte milhões de ovos que as populações das terras invadidas procuram destruir para que no proximo ano não se veja, outra vez á mercê dos novos gafanhotos e para que a área invadida não seja ainda muito maior do que a que foi agora atingida.”

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 22

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1496.

Passeio militar da marinha portuguesa em Lisboa.

Nas imagens de Joshua Benoliel: a passagem do corpo de marinheiros no Rossio; uma metralhadora transportada num camião; e a artilharia de marinha.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 23

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1498.

O obituário. Entre outros nomes ilustres, o geógrafo e historiador francês Onesime Reclus; o jornalista, escritor e dramaturgo brasileiro Batista Coelho, “João Foca” (de tuberculose); e o general de infantaria João António da Costa Leal, condecorado com a ordem de S. Bento de Aviz.

Nas novidades literárias, o poeta Augusto Santa Rita publica o livro de versos “Praias do Mistério”; e José Osório, funcionário de finanças em Santarém, o folheto de versos patrióticos “O Soldado Português”.

Na foto Benoliel, a equipa do Centro Nacional de Esgrima, vencedora da Taça Lancho, no torneio realisado no Grémio Literário de Lisboa.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 23a

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 20

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1498.

Passeio militar da marinha portuguesa em Lisboa.

Nas imagens de Joshua Benoliel, tiradas no Terreiro do Paço: o comandante da divisão naval, Leote do Rego, e o seu estado maior, passam revista ao corpo de desembarque da divisão naval; e camiões que conduzem metralhadoras.

“O sr. presidente da Republica, o chefe do governo e outros ministros, o corpo diplomatico e muitos funcionarios civis e militares que assistiram da varanda do Teatro Nacional á passagem do esplendido cortejo, manifestaram o seu agrado ao sr. Leote do Rego, comandante da divisão naval, pela boa ordem que observaram em todas as forças representadas no passeio.”

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 21

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1509.

Passeio militar da marinha portuguesa em Lisboa.

Nas imagens de Joshua Benoliel: o comandante das forças de desembarque, capitão tenente Rio de Carvalho, e o seu ajudante; o comandante da divisão naval, Leote do Rego, no seu automóvel; o presidente da República, o ministério, o corpo diplomático e outras entidades civis e militares assistem da varanda do Teatro Nacional ao desfile do corpo de marinheiros no Largo de Camões; e uma bateria de artilharia de 47 mm entra na Praça dos Restauradores.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 18

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1511.

De partir o coração: um desenho do célebre Fortunino Matania (1881 – 1963), originalmente publicado pela The Sphere.

“Adeus, meu velho amigo!
Comevedor incidente passado n’uma estrada com uma bateria ingleza no sul da Flandres”

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 19

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1488.

A guerra na Europa. Na imagem da The Sphere, canhões de Agincourt em acção, durante a batalha de Jutlândia.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 16

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1521.

A guerra na Europa. Nas imagens da The Illustrated London News: a cavalaria russa; o rei de Inglaterra visita a grande esquadra da marinha britânica; e a infantaria russa usando metralhadoras.

“Tudo se esgotou na Alemanha, que se jactava de poder sustentar a guerra durante 3 ou 4 anos até obter a vitoria: munições, alimentos, homens e até a paciencia do povo que, farto de esperar e de ser iludido, se revolta por todo o imperio, espicaçado pela fome e ancioso de paz.”

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 17

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1490.

A guerra na Europa. Nas imagens da L’Illustration: são apresentadas as bandeiras tomadas aos turcos ao grão-duque Nicolau, chefe dos exércitos do Caucaso; e o grão-duque assiste a um Te Deum em Erzeroum, após vitórias russas na Arménia.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 14

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1545 x 2305.

Comentário humorístico aos acontecimentos nacionais, cartoons the Hipólito Colomb.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 15

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1540 x 2300.

Contra-capa do O Século Cómico, Nº 976. A banda desenhada Quim e Manecas por Stuart de Carvalhais, “O Mistério da Lâmpadas” (1º episódio da 7ª parte do Pé Fatal).

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 15a

Carregar na imagem para ver em tamanho 624 x 376.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 12

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1535 x 2320.

Incluído na revista, O Século Cómico, Nº 976, capa por Hipólito Colomb.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 13

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1535 x 2295.

Comentário humorístico aos acontecimentos nacionais, cartoons the Hipólito Colomb.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 13a

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 10

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1504.

Os soldados portugueses treinam-se para a guerra, em Tancos.

Nas imagens Benoliel, um camião transportador de água abastece três carros americanos Relly.

“Ao longe, as serras de Mação, de Alvaiazere, de Minde, da Louzã, o perfil dos Montes Juntos fecham o horisonte. A travessia é longa: alguns quilometros de marcha. E, ao entardecer, entre as tendas de Paulona, a mesma impressão de alegria e de vigor domina as tropas que chegam e as que folgam.”

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 11

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1508.

Os soldados portugueses treinam-se para a guerra, em Tancos.

Nas imagens Benoliel: os reservatórios e filtros de água do Zezere, para abastecimento das tropas em Tancos, no Alto de S. Luís; e depósitos de água no Seival.

“O que está em Tancos não é ainda um exercito, mas é, sem duvida, a virtude militar d’um povo que se fortalece na disciplina e na fé – ao pleno sol de Portugal!”

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 8

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1521.

Os soldados portugueses treinam-se para a guerra, em Tancos.

Nas imagens Benoliel: o acampamento de artilharia no Casal do Pote; o capitão do estado maior, Abreu Campos, entrega artigos censurados aos representantes dos jornais (na Aringa, onde estava instalado o quartel-general); e o coronel comandante de brigada e o seu estado maior dão indicações ao coronel dum regimento.

Ilustração Portugueza, No. 543, July 17 1916 - 9

Revista amavelmente cedida por T do blogue Dias que Voam. Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1531.

Os soldados portugueses treinam-se para a guerra, em Tancos.

Nas imagens Benoliel: no Entroncamento, uma das oito recolhas para camiões, recentemente construída, e que fazem parte dos depósitos territoriais; o cais da estação de Tancos, ampliada segundo as indicações do ministro da Guerra, Norton de Matos; e chegada ao acampamento dos camiões de pão.

“D’ahi a horas a coluna põe-se em marcha em direcção á zona de tiro. Movem-se em plena ordem, unidos, serenos, seguros de si. Os toques de clarim voltam a ouvir-se. A coluna caminha, desenhando entre os tojaes, a linha cinzenta dos seus uniformes.”