Arquivo

Tag Archives: 1960s

Às Jovens Mães, 1960s - 20

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1112.

Aleitamento materno: regime alimentar da mãe-ama.

“Nenhum alimento vale o leite da mãe. A criança que é alimentada ao seio, mesmo quando esta forma de alimentação seja auxiliada, tem muito mais probabilidades de escapar às doenças que as crianças amamentadas a leite de vaca.”

Às Jovens Mães, 1960s - 21

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1098.

Outras regras de higiene geral: higiene dos seios, maneira de dar o seio, número de refeições e quantidade de leite, e aleitamento misto.

“Se a mãe não pode amamentar a criança por completo, tem de recorrer-se ao leite de vaca, dado a biberão. Todavia, é preferível dar-lhe algum seio, em todas as refeições, e completar depois a alimentação com o biberão. O seio tem, assim, menos probabilidades de diminuir.”

Às Jovens Mães, 1960s - 18

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1093.

O vestuário infantil: como vestir o bébé.

Às Jovens Mães, 1960s - 19

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1113.

O vestuário infantil: como vestir o bébé, limpeza das fraldas, e lavagem do vestuário de lã.

“A roupa da criança não deve nunca enxugar no quarto.

É de aconselhar que as fraldas sejam fervidas, pelo menos, uma vez por semana.”

Às Jovens Mães, 1960s - 16

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1084.

Como lavar a cabeça do bébé.

Às Jovens Mães, 1960s - 16a

“A cabeça da criança deve ser lavada diàriamente com algodão molhado em água tépida; seca-se depois e escova-se com uma escova própria.”

Às Jovens Mães, 1960s - 17

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1098.

O vestuário infantil: o enxoval, e o como vestir o bébé.

“O vestuário deve conservar a criança com uma temperatura conveniente – quente de Inverno, mas não de Verão – e permitir que a criança se movimente sem embaraços. Não devem empregar-se num enxoval de criança tecidos duros. Prefiram-se panos de algodão, flanela, peças de malha feitas à mão. Pregas rebatidas, costuras largas e bem assentes.”

Às Jovens Mães, 1960s - 14

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1092.

O banho, e como polvilhar.

“Logo que se formou a cicatriz umbilical, pode começar-se a banhar o bébé, diàriamente. Esse banho demora apenas o tempo necessário para lavar a criancinha e convém ser dado sempre à mesma hora, antes de uma refeição.”

Às Jovens Mães, 1960s - 15

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1091.

Como lavar os olhos, o nariz, os ouvidos, a boca, e a cabeça.

“Os olhos

Primeiramente lavem-se os olhos com água fervida, morna, usando para isso um pedaço de algodão (fig. 10), e empregue-se um pedaço diferente para cada olho.”

Às Jovens Mães, 1960s - 12

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1100.

Vómitos, raquitismo, tuberculose, e vacinações.

“Muitas crianças há que, embora aparentem boa saúde, sofrem de raquitismo. (…) é indispensável manter a criança com uma boa higiene, ar e sol em abundância, absoluta limpeza corporal, grande liberdade de movimentos e alimentação racional, que forneça à criança as necessárias vitaminas.”

Às Jovens Mães, 1960s - 13

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1106.

Higiene corporal da criança: como se pega numa criança, lavagem e arranjo da criança, as mãos e os pés, lavagem do bébé nos primeiros dias, e o cordão umbilical.

“Preste-se a maior atenção à conservação dos pés e mãos da criança em perfeito estado de asseio, porque a criança os leva muito frequentemente à boca. As unhas devem ser aparadas, de vez em quando, com tesoura ou lima, muito limpas, e em qualquer idade. Tudo o que se disser em contrário é pura ‘crendice’.”

Às Jovens Mães, 1960s - 10

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1093.

Sinais de doença, olhos, boca, erupções cutâneas, resfriamentos, prisão de ventre, e dejecções frequentes.

“Quando aparecem aftas ou sapinhos na boca de um pequenino, deve consultar-se o médico ou, pelo menos, ouvir a parteira. Nunca tente lavar ou limpar a boca do seu bébé. É ‘cuidado’ desnecessário, prejudicial e perigoso e olhe que a ‘língua suja’ não requer limpeza ou purgante.”

Às Jovens Mães, 1960s - 11

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1085.

Dejecções frequentes, cólicas e irritação da região ano-genital (pele e mucosas).

“As cólicas podem ser devidas quer a comida ingerida demasiado ràpidamente, quer a uma alimentação imprópria, quer ainda a horário alimentar irregular ou a resfriamento originado por fraldas molhadas e não mudadas imediatamente. (…) Se (…) o pequenino tem cólicas, pode tentar-se dar-lhe, espaçadamente, água tépida. Podem ainda dar-se-lhe umas colherinhas de agua de funcho e pôr-se-lhe uma flanela quente no ventre.”

Às Jovens Mães, 1960s - 8

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1103.

O peso da criança, a estatura e os dentes.

“É conveniente lembrar a seguinte regra, aliás aproximada: o peso que o pequenino marcou ao nascer, deve estar dobrado aos seis meses de idade e triplicado ao atingir o ano. Uma criança normal aumenta em média 20 a 30 g., por dia, nos primeiros meses. Devemos, no entanto, ter em consideração o seu tipo constitucional; como nos adultos, encontramos crianças de tipo magro ou gordo.”

Às Jovens Mães, 1960s - 9

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1096.

Os dentes da criança, a temperatura, e o choro.

“Deve prestar-se atenção aos gritos ou ao choro da criança; em muitos casos dão-nos indicações úteis. Podem ser resultantes de fome, de sede, ou de zanga. Todavia, a criança pode chorar porque tem dores, está apertada ou ainda porque tem um alfinete a picá-la, está magoada por uma dobra da roupa, se encontra molhada ou suja, ou porque um insecto a mordeu.”

Às Jovens Mães, 1960s - 6

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1087.

A higiene do quarto da criança, a temperatura do quarto, o sono, e o exercício físico.

“Durante os primeiros meses de existência, a criança deve dormir quase todo o tempo; não se deve acordá-la senão para mamar e com muita suavidade. Respeite-se a favoreça-se o sono do pequenino, evitando os ruídos inúteis e a luz viva.”

Às Jovens Mães, 1960s - 7

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1111.

O exercício físico, passeios, brinquedos, e necessidades fisiológicas.

“Não se escolham brinquedos de madeira pintada ou chumbo – porque a criança leva tudo à boca – mas antes brinquedos laváveis, leves, sem ângulos nem arestas vivas. E o melhor será ainda deixar que brinque com os pés e as mãos, que constituem – para ela – coisas muito divertidas. Não se consinta que o pequenino chupe tudo o que apanhe a jeito, mas também não se lhe deve dar uma chupeta; a criança extenua-se a chupar um objecto de que não tira qualquer resultado, além de criar o hábito de levar tudo à boca e de engolir ar que lhe pode perturbar a digestão.”

Às Jovens Mães, 1960s - 4

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1095.

Conselhos à futura mãe sobre a gravidez, a chegada do bébé, primeiros sintomas da chegada do bébé, e a saúde da criança.

“O recém-nascido não domina ainda os seus movimentos. Por exemplo, não sabe seguir com o olhar os objectos que se lhe mostram. Às vezes entorta os olhos, o que não deve causar apreensão. Entre as 4 e as 6 semanas de idade, aparece o primeiro sorriso consciente. Por volta das 6 semanas, começa o bébé a prestar atenção ao que o rodeia, e os gritos são, durante muito tempo, a unica forma que tem de se exprimir (…)”

Às Jovens Mães, 1960s - 5

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1087.

A saúde da criança, precauções a tomar, e a higiene do quarto da criança.

“O colchão de palha, mais duro que mole, deve estar muito bem protegido por um tecido impermeável colocado debaixo do lençol, para que não se suje e tome mau cheiro. Leva depois um resguardo de borracha e um pano de flanela. A cama, além do lençol, de cima, terá um ou mais cobertores de lã ou algodão, consoante a estação e a temperatura do quarto. Quando esteja frio, coloque-se no leito do pequenino uma botija, bem fechada e não muito quente, bem embrulhada numa flanela e afastada do corpo da criança para que se não queime.”

Às Jovens Mães, 1960s - 2

Carregar na imagem para ver em tamanho 1500 x 1093.

O índice. Conselhos à futura mãe sobre a gravidez.

“Uma vigilância regular é necessária durante a gravidez. Logo que suspeite de que está grávida, a mulher deve, pois, consultar o médico ou a parteira.”

Às Jovens Mães, 1960s - 3

Carregar na imagem para ver em tamanho 1000 x 1439.

Conselhos à futura mãe sobre a gravidez.

“Sendo a gravidez, não uma enfermidade, mas um processo natural, não necessita deixar as suas ocupações, nem há motivo para que ande apreensiva. Muito útil é que faça exercício ao ar livre – a marcha é excelente – evitando todavia movimentos violentos, particularmente aqueles que fazem actuar os músculos do abdómen (um acidente tem sempre consequências mais graves numa mulher em estado de gravidez).”