Arquivo

Tag Archives: 1961

Menina e Moça, Nº 154, Abril 1961, Camaradagem com Rapazes

Carregar na imagem para ver em tamanho 999 x 1290.

Do livro Mocidade Portugueza Feminina por Irene Flunser Pimentel, publicado por A Esfera dos Livros, 2007.

“Ao longo dos anos, foi também transmitida nas páginas da M&M uma imagem da ‘mulher ideal, segundo eles’. Descrita, em 1948, como se fosse um jovem a falar, a rapariga ideal deveria ser ‘boa dona de casa’, ‘compreensiva dos gostos e necessidades alheias, ‘afectuosa para a família do marido’, ‘ pontual’, ‘discreta’, ‘económica’, ‘sincera, dócil, séria, confiante, pouco tagarela’, e não ‘usar baton’. Outros artigos enumeravam os defeitos de ‘que eles não gosta(va)m’ (1954) e ‘as qualidades que eles mais aprecia(va)m’ nas raparigas (1961).”

Boa Noite, Nº 64, Outubro 1977 - 38

Carregar na imagem para ver em tamanho 1214 x 800.

Publicidade aos artigos de campismo Solcampo, e Larcampo; aos artigos para caça submarina Simotal, e Oceânica; e às rolotes Simotal. “A técnica de nadar debaixo de água”, por Ely Boissin.

Boa Noite, Nº 64, Outubro 1977 - 39

Carregar na imagem para ver em tamanho 1205 x 800.

Publicidade às máquinas de tricotar Erka; às lojas do cinema Londres; e às espingardas Pietro beretta.

Conclusão do artigo sobre Brahms, e o humor.

“Excerto do Código das Boas Maneiras, de Leo Campion:

‘Quando um cavaleiro anda na rua com uma senhora, deve sempre deixar-lhe a parte de dentro do passeio.

Assim, se uma telha cai do telhado ou vaso de flores duma janela, será a dama que terá mais probabilidades de apanhar com eles na cabeça.'”

Mãos Dadas, Nº 66, 1966

Carregar na imagem para ver em tamanho 794 x 1028.

Do livro Mocidade Portuguesa de Irene Flunser Pimentel, editora A Esfera dos Livros, 2007.

“Leitoras de Mãos Dadas! Daqui em diante, tereis à vossa disposição uma revista muito mais ampla, mais rica de conteúdo, mais de acordo com a multiplicidade dos vossos interesses que bem conhecemos através dos inquéritos realizados anteriormente.

Haverá, pois, uma revista única para todas as estudantes do liceu e escolas técnicas, revista que mantém o nome da sua irmã mais velha a Menina e Moça mas que é como que a fusão das duas até aqui existentes, Mãos Dadas e Menina e Moça.”

Mãos Dadas, Nº 1, Dezembro 1961 - capa

Carregar na imagem para ver em tamanho 772 x 1034.

Do livro Mocidade Portuguesa de Irene Flunser Pimentel, editora A Esfera dos Livros, 2007.

“Em Janeiro de 1961, ano em que a MPF também começou a editar, para as jovens adolescentes não escolarizadas de classes sociais mais baixas, a revista mensal De Mãos Dadas, dirigida por Aida Cardigas, a M&M* mudou de visual, ficando com um formato mais pequeno. Como sublinhou a própria directora da revista, esta ‘actualizou-se, modernizou-se conservando intacto o ideal formativo e cultural’ para se tornar numa ‘revista da rapariga portuguesa que não tem ainda o gosto estragado pelas leituras que não valem nada e que poderão deformar a sua mentalidade e sensibilidade’.”

* Menina e Moça.