Archive

Tag Archives: 1975

Panorama, nº8, Junho 1975 - 44

Carregar na imagem para ver em tamanho 946 x 1252.

Artigo sobre o comboio que atravessa a rua principal da vila de Fauresmith, no Estado Livre de Orange.

“Na rua principal, na casa mais próxima de estação, está agora instalado um estabelecimento de vestuário. Foi nesse edifício que viveu, em criança, o conhecido artista sul-africano Walter Battiss. Pois ainda hoje, como no seu tempo, há uma correria dentro de casa quando se ouve esse apito, para se ir fechar o portão de ferro do jardim das traseiras que, aberto, constitui obstáculo à passagem do comboio. A linha também passa tão próxima do café da cidade que, nos dias quentes, é frequente suspender a marcha para que o maquinista e o fogueiro tomem um refrigerante!”

Panorama, nº8, Junho 1975 - 45

Carregar na imagem para ver em tamanho 940 x 1239.

“La campa de N. C. Havenga, que foi ministro das Finanças e era natural da cidade

Mesmo em frente do Banco e da Câmara Municipal, o comboio silva, descendo bem ao centro da rua principal”

Panorama, nº8, Junho 1975 - 42

Carregar na imagem para ver em tamanho 936 x 1254.

Artigo sobre o comboio que atravessa a rua principal da vila de Fauresmith, no Estado Livre de Orange.

Panorama, nº8, Junho 1975 - 43

Carregar na imagem para ver em tamanho 954 x 1244.

“O comboio passa tão próximo do café que, nos dias mais quentes, pode deter a marcha e permitir que o maquinista e o fogueiro comprem alguns refrigerantes.

No centro da cidade, há uma ‘ilha’ de trânsito, através da qual foi aberto o caminho para a via férrea.”

Panorama, nº8, Junho 1975 - 40

Carregar na imagem para ver em tamanho 940 x 1250.

Artigo sobre as tradições das tribos que usam missangas, Gcaleka, Tembu, Pondo, Bomvana, Mpondomise, Fingo, Bhaca e Xesibe.

Nas imagens: homem da tribo Xesiba em trajo tradicional.

“Tal como acontece com a plumagem dos pássaros machos, também os adornos de missangas dos homens da tribo são sempre bem mais coloridos e complicados que os da mulher. Nos seus vistosos trajos bordados a missanga, os homens lembram, de facto, o maravilhoso colorido dos pássaros e parecem muito mais belos do que a natureza os fez.”

Panorama, nº8, Junho 1975 - 41

Carregar na imagem para ver em tamanho 952 x 1246.

Nas imagens: jovem da tribo Fingo, em trajo tradicional; adolescente da tribo Tembu com óculos enfeitados com issangas; adolescente da tribo Gcaleka cheia de missangas; e moça da tribo Tembu usando adornos de missangas e uma pintura nos olhos feita com cal branca.

Panorama, nº8, Junho 1975 - 41a

Carregar na imagem para ver em tamanho 957 x 1239.

Panorama, nº8, Junho 1975 - 38

Carregar na imagem para ver em tamanho 948 x 1254.

Leslie Warland, de Brakpan, Transval, possui uma das mais belas colecções de objectos de arte nativa da África do Sul.

Nas imagens: peças de marfim e de ébano numa antiga vitrina de estilo holandês, do Cabo; e o coleccionador segurando uma pele de serpente piton (ao fundo uma colecção de colares tradicionais e de objectos de barro de fabrico manual), e uma pele de leopardo.

“Um aspecto fascinante desta original colecção é a cacofonia de ruídos animais e cantos de pássaros que enche a sala, quando o coleccionador liga o seu gravador. São apelos e gorgeios que gravou durante as suas longas caminhadas pela selva.”

Panorama, nº8, Junho 1975 - 39

Carregar na imagem para ver em tamanho 1884 x 1245.

Artigo sobre as tradições das tribos que usam missangas, Gcaleka, Tembu, Pondo, Bomvana, Mpondomise, Fingo, Bhaca e Xesibe.

Nas imagens: dois homens da tribo Tembu a caminho dum batuque para jovens adultos; trajo de cerimónia dum jovem da tribo Gcaleka, indicativo de ser da aristocracia da tribo; e matronas da tribo Mpondomise com toucados inspirados nas caudas dos pavões.

Panorama, nº8, Junho 1975 - 39a

Carregar na imagem para ver em tamanho 734 x 930.

“Cada grupo tem os seus tabus e regras relativamente a missangas, vestuário, cantares e danças. E cada grupo tem igualmente a sua escolha feita quanto a uma combinação de cores e a um conjunto de peças de missanga para usar em ocasiões especialmente solenes. (…)

Os negros que usam adereços e vestuário de missangas são denominados em idioma xhosa ‘amaOaba’, um nome que revela serem eles adoradores dos espíritos ancestrais.”

Panorama, nº8, Junho 1975 - 36

Carregar na imagem para ver em tamanho 963 x 1230.

Realizam-se as provas do último Concurso de Cães Pastores da África do Sul, nas montanhas de Sneeubeurg.

Nas imagens: vencedores das provas e seus donos; o cão pastor Scamper escala uma vedação contra chacais; e a cadela vencedora, Jen, eo seu humano, C. A. Kingwill.

Panorama, nº8, Junho 1975 - 36a

Carregar na imagem para ver em tamanho 635 x 588.

“É grande o número de lavradores que estão agora a comprar cães de boa raça para os seus pastores. O presidente cessante da S. A. S. D. A, Jeff Currie, costumava dizer que o futuro dos cães pastores do país dependia dos seus pastores.”

Panorama, nº8, Junho 1975 - 37

Carregar na imagem para ver em tamanho 934 x 1248.

Leslie Warland, de Brakpan, Transval, possui uma das mais belas colecções de objectos de arte nativa da África do Sul. Na imagem, o bar coberto de colmo de Leslie, decorado com objectos curiosos.

“Alguns dos objectos de maior valor são arcos nativos e setas de pontas envenenadas, uma enorme quantidade de colares de contas curiosamente trabalhadas, feitas de madeira e da cascas de ovos de avestruz, além de uma enorme variedade de utensílios comuns. Da África do Sul são as esteiras lindamente trabalhadas, os coloridos colares de contas, peças de barro de fabrico manual e as inconfundíveis bengalas com os seus cabos esculpidos em dentes de hipopótamo.”

Panorama, nº8, Junho 1975 - 32

Carregar na imagem para ver em tamanho 929 x 1254.

Artigo sobre a reunião da Assembleia Geral de 1974 da Federação Internacional dos Engenheiros Consultores, a convite da Associação Sul-Africana de Engenheiros Consultores, que celebrava o seu vigésimo primeiro aniversário.

Nas imagens: os delegados ficam a conhecer o braai, churrasco sul-africano, na reserva de High Noon; e delegados à Assembleia Geral da F. I. D. I. C., reunidos em frente do Mount Nelson Hotel, na Cidade do Cabo.

“Cooperação significa progresso e uma organização como a F. I. D. I. C., que congrega os conhecimentos de muitas nações e promove o intercâmbio de idéias em conferências como a que se realizou na Cidade do Cabo, dá aos países a possibilidade de realizar muito mais do que seriam capazes de realizar de outro modo.”

Panorama, nº8, Junho 1975 - 33

Carregar na imagem para ver em tamanho 942 x 1244.

O campeonato de esqui de Hartbeespoort.

Panorama, nº8, Junho 1975 - 30

Carregar na imagem para ver em tamanho 946 x 1244.

Artigo sobre a reunião da Assembleia Geral de 1974 da Federação Internacional dos Engenheiros Consultores, a convite da Associação Sul-Africana de Engenheiros Consultores, que celebrava o seu vigésimo primeiro aniversário.

Nas imagens: W. D. F. Clinkscales, vencedor do prémio Edoardo Vila pela sua concepção original duma cozinha de alimentos pré-cozinhados e congelados, que serve três hospitais em Windhoek; o secretário-geral H. C. Frijlink; e uma típica central eléctrica térmica, produto de engenheiros sul-africanos.

Panorama, nº8, Junho 1975 - 31

Carregar na imagem para ver em tamanho 938 x 1247.

Nas imagens: o nó viário da Pell Street em Port Elizabeth; e convidados provando sherries sul-africanos, durante uma recepção não-oficial.

Panorama, nº8, Junho 1975 - 28

Carregar na imagem para ver em tamanho 1889 x 1257.

Artigo sobre a fazenda Paardekraal de Belfast, da Companhia de Harry de Leeuw, onde são cultivadas Túlipas de Amsterdão.

“Os bolbos ali cultivados destinam-se não só ao mercado local como à exportação para a Argentina.”

Panorama, nº8, Junho 1975 - 29

Carregar na imagem para ver em tamanho 948 x 1254.

Artigo sobre a reunião da Assembleia Geral de 1974 da Federação Internacional dos Engenheiros Consultores, a convite da Associação Sul-Africana de Engenheiros Consultores, que celebrava o seu vigésimo primeiro aniversário.

“A direcção esclarecida desta herdade, que tornou possível a criação de animais por meio de inseminação artificial, eliminou as desvantagens dos cruzamentos consanguíneos dos animais e tornou maiores as possibilidades de obtenção de belos animais reprodutores e de ovelhas.”