Arquivo

Tag Archives: Gente

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 28

Carregar na imagem para ver em tamanho 958 x 1296.

A actriz americana Lucille Ball protagoniza o filme “Lucy Mame”.

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 29

Carregar na imagem para ver em tamanho 959 x 1296.

Em Inglaterra, Sir Murray Fox é investido no cargo de Lord Mayor de Londres.

“As origens do Lord Mayor remontam ao reinado do rei João que conferiu aos cidadãos de Londres o direito de elegerem todos os anos o seu ‘mayor’ exigindo apenas que esta escolha fosse depois sancionada pelo soberano reinante. O primeiro mayor eleito foi Henry-Alwin, escolhido em 1192.”

A moda masculina do estilista londrino Tom Gilbey. O maior salva-vidas do mundo, o Tony Vandervall, construído em Inglaterra, é feito em fibra de vidro reforçada.

Anúncios

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 26

Carregar na imagem para ver em tamanho 951 x 1298.

Entrevista ao jornalista e locutor Fernando Pessa.

“Nasceu em Aveiro, numa casa ‘que ainda lá está e ainda não tem lápide…’ Tem o britânico culto do facto, e é profissionalmente inimigo da opinião pessoal, mesmo política. ‘Deve ficar à porta, quando se entra num estúdio’. Afabilidade sem afectação, à vontade sem má criação.”

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 27

Carregar na imagem para ver em tamanho 851 x 1296.

A actriz americana Lucille Ball protagoniza o filme “Lucy Mame”.

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 24

Carregar na imagem para ver em tamanho 960 x 1302.

Publicidade à Colecção Cavalinho, da editora Verbo.

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 24a

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 25

Carregar na imagem para ver em tamanho 960 x 1300.

Entrevista ao jornalista/locutor Fernando Pessa, que começou por trabalhar como empregado em bancos, e seguradoras no ramo automóvel, e finalmente na rádio BBC.

“- Fui para Londres em 1938, convidado por um senhor inglês que já morreu. Veio a guerra, e por lá fui ficando, na secção portuguesa, até 1947. Quando voltei, a Legião Portuguesa opôs-se a que eu trabalhasse na Emissora Nacional…

– Porquê?

– Porque vinha da BBC. A Inglaterra tinha sido aliada da Rússia, e daí a chamarem-me comunista foi um passo.

Só mais tarde Pessa volta a fazer ouvir a sua voz característica no programa ‘Arco Íris’, de Francisco Mata – até que na véspera do Natal de 1964 dá uma entrevista (à RTP), em que diz que no Chiado tinha visto mais cegos a pedir esmola do que gente a fazer compras. Tal enormidade merece uma imediata reacção do ‘Agora’ – e o então director da Emissora, Sollari Alegro, despede o locutor.

– Como quem despede uma mulher a dias. O programa ainda durou uns meses. Fui substituído pelo Canto e Castro, que faz bem teatro e faz bem locução.”

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 22

Carregar na imagem para ver em tamanho 960 x 1302.

Actores do Teatro Laura Alves formam o Grupo de Acção Teatral Independente (GATI), gerida por Vítor Rosado, e levam à cena a comédia “As Escandalosas”.

Nas imagens, as actrizes Rosita Afonso, Leónia Mendes, e Celeste Silva.

Vítor Rosado:

“Apesar desta peça já constar na programação, nós queremos frizar que se trata de uma comédia tipo ‘boulevard’, género bem aceite em todo o mundo, desde que representado com dignidade. Mesmo nos países socialistas são apresentadas peças deste tipo. Exemplos? Temos ‘O pato’ de Feydeau representado em Praga e mesmo em Moscovo esteve cerca de dois anos ‘A pedra no sapato’ também de Georges Feydeau. Adiantando um pouco sobre esta história poderei dizer que se trata de uma obra que apesar do título lembrar outras coisas, se destina a desmascarar a alta burguesia, com toda a sua procissão de hábitos: chás-canasta, modas, espíritismo e até mesmo ‘outras actividades’. Pretendemos escandalizar certas senhoras, demonstrando-lhes como são inúteis e perniciosas à sociedade.”

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 23

Carregar na imagem para ver em tamanho 956 x 1302.

Vítor Rosado:

“A família teatral terá que se unir, para depois colocar o teatro ao serviço da revolução. E tudo isto sem partidarismos, já que o público que nos vê é simpatizante de todos os partidos. É vergonhoso que se levem para cena, bandeiras e emblemas de certos partidos e se dêem vivas a este ou àquele. Tudo deve ser democrático e sem pressões. Pessoalmente sou anti-ditadura, pois as pessoas nascem para serem independentes e livres e assim gostaria que todos nós morressemos.”

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 20

Carregar na imagem para ver em tamanho 952 x 1306.

Reportagem de Maria Guadalupe e Eduardo Tomé sobre a relações públicas francesa Yanou Collart, que intermediava os contactos entre os media e várias empresas ligadas ao mundo da arte, da literatura, espectáculo, moda e gastronomia, como a Fondation d’Aix-en-Provence, de Victor Vasarely, entre outras.

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 21

Carregar na imagem para ver em tamanho 956 x 1298.

Actores do Teatro Laura Alves formam o Grupo de Acção Teatral Independente (GATI), gerida por Vítor Rosado, e levam à cena a comédia “As Escandalosas”.

“A história é na sua base, igual a muitas outras neste País. Um indivíduo sem escrúpulos, ‘arrebanha-se’ com certa maquia de dinheiro, e foge. Para o estrangeiro como muitos outros. E deixa uma série de empregados a coçar a cabeça. Que fazer?

O palco desta história é um palco. O palco do Teatro Laura Alves, que o sr. Luís Correia abandonou com (dizem) 18.000 contos. E os empregados-actores, a ensaiar a comédia ‘As escandalosas’, resolvem por sua conta e risco avançar com o projecto.”

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 18

Carregar na imagem para ver em tamanho 734 x 1000.

Publicidade ao bronzeador solar Delial.

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 19

Carregar na imagem para ver em tamanho 888 x 1200.

Reportagem de Maria Guadalupe e Eduardo Tomé sobre a relações públicas francesa Yanou Collart, que intermediava os contactos entre os media e várias empresas ligadas ao mundo da arte, da literatura, espectáculo, moda e gastronomia, como a Fondation d’Aix-en-Provence, de Victor Vasarely, entre outras.

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 16

Carregar na imagem para ver em tamanho 946 x 1292.

Leslie Clews, dono dum jardim zoológico em Southam, no Warwickshire, deixa a neta Tracey brincar com Rosie, uma chimpanzé.

Artigo de Magê sobre a actriz espanhola Agatha Lys, que ambicionava ser a próxima Marilyn Monroe.

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 17

Carregar na imagem para ver em tamanho 943 x 1293.

Notícias do mundo do espectáculo brasileiro.

Nas imagens: as actrizes Elaine Cristina e Cleide Yaconis; o músico Nelson Gonçalves; o locutor de rádio Barros de Alenquer; e os actores Ednei Giovenazzi, Ewerton de Castro, e Elias Gleiser.

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 14

Carregar na imagem para ver em tamanho 950 x 1292.

Artigo sobre a bailarina e professora da Escola de Dança do Conservatório Nacional, Anna Mascolo, que recebera um convite para ensinar nos Grands Ballets Canadiens. Mascolo tem a distinção de ter criado um método próprio de ensino e de ter fundado em Lisboa uma Escola-Estúdio.

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 15

Carregar na imagem para ver em tamanho 951 x 1297.

Leslie Clews, dono dum jardim zoológico em Southam, no Warwickshire, deixa a neta Tracey brincar com Rosie, uma chimpanzé.

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 12

Carregar na imagem para ver em tamanho 952 x 1290.

As notícias do mundo do espectáculo internacional.

Nas imagens: o realizador italiano Michelangelo Antonioni, que realizara, com Jack Nicholson, o filme “Profissão: repórter”; o actor francês Jean-Pierre Marielle, que protagonizava “Que la fête commence”, de Bertrand Tavernier; e a actriz francesa Annie Girardot, que entrava no filme de José Giovanni “Le Gitan”.

“A autora do livro mais vendido do Mundo, de um dos maiores ‘best-sellers’ dos últimos dez anos, foi descoberta nesta dicade (Roma) enquanto passeava num jardim, Trata-se de Mayrat Kasaseind, a verdadeira ‘Emmanuelle’ do filme que ainda se projecta numa das salas de espectáculos em Lisboa. (…)

Depois do livro ter sido publicado com uma nota dizendo que era uma obra autobriográfica, o marido da autora separou-se desta.”

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 13

Carregar na imagem para ver em tamanho 931 x 1286.

Artigo sobre a diva do cinema Delphine Seyrig.

“Alsaciana de origem, nasceu no Líbano, onde o pai era director do Instituto Arqueológico. Impôs-se no Teatro, mas foi o filme de Alain Resnais ‘O último ano em Marienbad’, que a tornou conhecida do grande público. (…)

A outra face de Delphine Seyrig, é a que nos oferece nas ruas de Paris, pois como elemento preponderante do M. L. F. (Movimento de Libertação Feminino) quer, por hábito, estar à cabeça de todas as manifestações.”

Gente, No. 89, July 22-28 1975 - 10

Carregar na imagem para ver em tamanho 947 x 1296.

Artigo sobre a ginasta soviética Lida Gorbik.

A presidente da Argentina, Maria Estela Martinez de Peron, envergando o seu uniforme naval de comandante das forças armadas, visita o navio de instrução da armada argentina Libertad, e dá a partida simbólica para a 11ª volta ao Mundo, que começara em Buenos Aires.

Gente, No. 89, July 22-28 1975  - 11

Carregar na imagem para ver em tamanho 948 x 1299.

As notícias do mundo do espectáculo internacional.

Nas imagens: o actor americano John Wayne, que na altura acabara de filmar “Rooster Cogburn”, com Katherine Hepburn; o realizador britânico Ken Russel filmava a ópera rock dos The Who; e o realizador alemão Werner Herzog, considerado o Orson Wells da Alemanha.

“Galardoada com um ‘Óscar’ pela sua interpretação no filme ‘Lua de Papel’, ex-membro de uma quadrilha infantil dedicada ao roubo de bicicletas, fugitiva de um internato, possuidora de uma fortuna incalculável, capaz de recusar a oferta de aproximadamente seis mil contos para fazer um anúncio publicitário, eis Tatum O’Neill, uma menina de treza anos que tem estado toda a vida em busca de um verdadeiro lar, enquanto seus pais se acusam mutuamente de a querer abandonar. Recentemente realizou-se num tribunal desta cidade, um julgamento para se decidir quem ficaria com Tatum: se o pai, Ryan O’Neill, célebre pela sua actuação no filme ‘Love Story’, se a mãe, Joanna Moore, de quem Ryan se divorciou há sete anos.

‘Posso ser um mau marido, mas melhor pai que eu não há em todo o Mundo’, foram as palavras que o actor proferiu ao Juíz Wilson, que não se comovendo, entregou a custódia de Tatum à mãe, apesar de Ryan ter todos estes anos vivido com a filha.”