Arquivo

Tag Archives: Ilberino dos Santos

Ilustração, No. 110, Julho 16, 1930 - capa

Carregar na imagem para ver em tamanho 980 x 1512.

Ilustração, No. 110, Julho 16, 1930 - 1

Carregar na imagem para ver em tamanho 990 x 1522.

Publicidade de Ilberino dos Santos ao Fiat 521.

Anúncios

Ilustração, No. 120, Natal, Dezembro 16 1930 - 52

Carregar na imagem para ver em tamanho 1084 x 1508.

“A Peça de Majólica”, conto humorístico de Fernando de Pamplona, ilustrado por Ilberino dos Santos.

Ilustração, No. 120, Natal, Dezembro 16 1930 - 52b

Ilustração, No. 120, Natal, Dezembro 16 1930 - 52a

“O senhor João da Costa tinha a mania respeitável das antiguidades. Todos os patacos, que lhe sobravam das economias, ia o senhor João da Costa espetá-los conscienciosamente nas lojas de bric-à-brac. Os traficantes de trastes velhos, de gravuras amarelentas e de louças estaladas de Sévres e da Índia possuíam neste teimosíssimo varão um grande amigo de antes quebrar que torcer, um dêsses adoráveis clientes que em tudo vêem pechinchas e que pagam e não bufam.”

Ilustração, No. 119, Dezembro 1 1930 - 4

Carregar na imagem para ver em tamanho 928 x 1288.

Publicidade ao livro “O Pretinho de Angola”, de César de Frias, ilustrado por Ilberino dos Santos, da editora do Diário de Notícias; e ao Almanaque Bertrand, coordenado por Maria Fernandes Costa, das Livrarias Aillaud e Bertrand.

Ilustração, No. 119, Dezembro 1 1930 - 5

Carregar na imagem para ver em tamanho 948 x 1304.

Publicidade à Academia Científica de Beleza, e aos seus produtos Vildizienne e Kurlash; aos sais de fruta Eno; à revista Eva; à edição de Natal do Magazine Bertrand; e à colecção Patrícia do Diário de Notícias.

Ilustração, No. 119, Dezembro 1 1930 - 5a

Carregar na imagem para ver em tamanho 802 x 552.

Ilustração, No. 118, Novembro 16 1930 - 32

Carregar na imagem para ver em tamanho 948 x 1317.

“Banhos de S. Paulo”, conto de Mota Cabral, ilustrado por Ilberino dos Santos.

“O velho Manuel da Eliiária era um homensarrão que barbava de suíças e falava muito, a dar-se ares, estropiando pomposamente quási tôdas as palavras. Pequeno fazendeiro, possuidor também da casita que habitava, governava-se menos mal, com a mulher e dois filhos já paquidérmicos, quando eu era rapazola, proíbidos do uso de bigode, sob pena de expulsão da casa paterna.”